Quarta-Feira, 21 de Outubro de 2020 -

Aposta contra a crise hídrica em SP, represa Billings completa 90 anos

Publicado em: 30/03/2015
Divulgação

Divulgação

A represa Billings, uma das apostas contra a crise hídrica em São Paulo, está completando 90 anos nesta sexta-feira (27).

Construída no início século para geração de energia, ela hoje é usada para o abastecimento de água de 1,2 milhão de pessoas em Diadema, São Bernardo do Campo e Santo André, no ABC. E é vista como alternativa para evitar um colapso do Sistema Cantareira, que abastece 5,6 milhões de pessoas.

Quem esteve à frente do projeto foi o americano Asa Billings, que previa a utilização das águas no topo da Serra do Mar para que alimentassem um usina que ficaria em Cubatão. Mas as para movimentar as turbinas da usina Henry Borden foi preciso trazer água do Tietê e inverter o curso do Rio Pinheiros.

Com capacidade para armazenar 1,2 trilhão de litros, a represa é considerada o maior reservatório da Grande São Paulo e se tornou uma aposta contra a crise hídrica no estado.

Embora a Billings sofra com o despejo de esgoto dos Rios Tietê e Pinheiros, além da ocupação irregular, ainda tenha uma área com água preservada.

O governo do estado vai utilizar o braço mais limpo da represa, o Rio Pequeno, para reforçar o Sistema Alto Tietê e aliviar o Cantareira. O braço poluído seria o empregado inicialmente, mas foi preterido por causa dos custos.

A Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) redefiniu o local de captação por ser uma opção mais viável para tratamento. O Rio Pequeno, segundo a empresa, despejará água no Rio Grande, de onde seguirá para o Alto Tietê. A previsão é que a interligação entre em operação ainda em 201, com custo estimado de R$ 20 milhões.

Fonte: G1