Quarta-Feira, 23 de Setembro de 2020 -

Artigo – Reforma da Previdência: nossos direitos correm perigo

Publicado em: 21/02/2017

 

Arruda

Apontada como uma das prioridades do governo Temer, a proposta de Reforma da Previdência está preocupando os brasileiros e não é para menos. Se aprovado, o texto prevê a idade mínima de 65 anos e 25 anos de tempo mínimo de contribuição.

No entanto, quem contribuir por 25 anos recebe apenas 76% do valor do benefício. Para receber o valor integral será necessário contribuir por 49 anos. Infelizmente, já conseguimos prever que milhares de brasileiros nunca chegarão perto de sua aposentadoria, pois em nosso mercado de trabalho ainda nos deparamos com muita terceirização, rotatividade e muito desemprego. Além disso, quem terá saúde para trabalhar por quase 50 anos? Muitos trabalhadores nunca terão acesso ao benefício e tantos outros se aposentarão à beira da morte.

E para quem pensou que não poderia piorar, essa idade pode aumentar de acordo com a expectativa de vida do brasileiro que, hoje, é de 74 anos. Estima-se que daqui a 10 anos, a idade mínima da aposentadoria passe para 66 anos.

Se aprovada, as regras da Reforma valerão para homens com menos de 50 anos e mulheres com menos de 45 anos. Já os trabalhadores acima dessas idades terão de passar por uma regra de transição, um tipo de “pedágio”, quando deverão pagar 50% do tempo que faltaria para alcançar a aposentadoria. Assim, se faltar para o trabalhador apenas dois anos para se aposentar, a partir da reforma, faltarão três anos, ou seja, 24 meses mais 50%, o equivalente a 36 meses.

Não podemos permitir que essa Reforma seja aprovada e traga retrocesso para nossos direitos conquistados com tanta luta! Por isso, trabalhadores, leia a respeito do assunto, conscientize-se, e converse com seus colegas! Vamos pressionar os parlamentares nas ruas, nas redes sociais e enviando e-mails. Vamos mostrar nossa insatisfação com essa Reforma da Previdência, que, na verdade, significa o fim da nossa aposentadoria! Juntos, podemos fazer com que nossa voz seja ouvida!

Carlos Alberto de Sousa, diretor de Comunicação do Sindicato dos Comerciários de Osasco e Região (Secor)