Quinta-Feira, 21 de Janeiro de 2021 -

Comércio de Osasco lidera alta nas vendas

Publicado em: 08/04/2015
Divulgação

Divulgação

Com faturamento de R$ 5,3 bilhões em dezembro, o comércio varejista da região de Osasco apresentou o melhor desempenho do mês nas 16 regiões pesquisadas no Estado de São Paulo. É o que aponta Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) a partir de informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz).

Os dados de dezembro foram divulgados este mês. A região, que é composta por 19 municípios, apontou crescimento nas vendas de 5,3% quando comparado com o mesmo mês de 2013. Seu faturamento é o segundo maior entre as regiões pesquisadas e representa cerca de 10% do varejo estadual. Quando analisado o acumulado de 2014, contudo, o comércio varejista de Osasco apresentou queda de 1,6%. Dos dez segmentos pesquisados, o que mais impactou positivamente o resultado foi o setor de outras atividades, com alta de 8,4% nas vendas do mês e contribuição de 2,9 pontos porcentuais para o resultado geral.

Essa foi a atividade com maior faturamento na região, o que normalmente fica a cargo dos supermercados. A maior variação positiva, no entanto, foi das lojas de departamentos, com 27,2% e 2,5 pontos percentuais de contribuição. Por outro lado, cinco setores apresentaram queda na receita em dezembro. A maior retração e contribuição negativa foi do setor de lojas de vestuário, tecidos e calçados, com recuo de 16,1% e de menos 1,4 ponto porcentual no resultado geral.

Já no acumulado do ano, os destaques positivos foram para outras atividades, com alta de 10% nas vendas, e lojas de departamento, com elevação de 10,7%. Ainda analisando o acumulado do ano, os piores desempenhos ficaram com os setores de bens duráveis e semiduráveis. As maiores variações negativas foram vistas nas lojas de eletrodomésticos e eletrônicos, com recuo de 32,9%, e nas lojas de vestuário, tecidos e calçados, com retração de 26,1%.

Fonte: Diário da Região