Quarta-Feira, 30 de Setembro de 2020 -

Economia: Preço de ovo de Páscoa sobe menos que a inflação

Publicado em: 30/01/2013

 

Os preços dos ovos de Páscoa subiram menos do que a inflação neste ano, segundo os fabricantes de chocolate. A indústria vai colocar no mercado cerca de 100 lançamentos para a data, que devem chegar às lojas e supermercados depois do Carnaval.

De acordo com a indústria, os produtos estão 5% mais caros na comparação com 2012. O aumento no preço do cacau e do açúcar e o reajuste dos salários dos trabalhadores da indústria foram os maiores motivos da alta.

Para efeito de comparação, no ano passado, o IPCA, o índice oficial de inflação do país, acumulou alta de 5,84% entre janeiro e dezembro.

Na Páscoa de 2012, o aumento no preço dos ovos tinha sido bem maior, de até 9%, ante uma inflação acumulada de 6,5% em 2011.

Páscoa em março afeta vendas, dizem fabricantes
O acirramento da competitividade no setor e a expectativa mais modesta de vendas para este ano explicam, em parte, o fato de as empresas terem decidido não aumentar demais os preços. Assim como nos últimos anos, os fabricantes focaram seus lançamentos em produtos premium (especiais e feitos para presentear), licenciamentos de personagens infantis e sabores diferenciados.

“O foco da empresa é ser competitiva. A alta foi basicamente o repasse de gastos com dissídio da mão de obra e aumento nos preços dos insumos, como cacau e açúcar”, diz Ricardo Bassami, gerente de marketing da Nestlé.

A empresa prevê estabilidade no volume de vendas neste ano na comparação com 2011. O faturamento, porém, deve acompanhar a alta de 5% dos preços.

O gerente de marketing da Garoto, André Barros, prevê estabilidade nas vendas da empresa. Isso deve acontecer em parte porque a Páscoa será em março, mês ainda de calor forte no país, o que tende a afetar as vendas de chocolate.

“Além disso, o fato de Páscoa acontecer muito cedo pega muitos consumidores ainda comprometidos com as contas de começo de ano”, diz.

Setor acompanha crescimento da economia, diz associação
A estimativa da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab) é que neste ano a produção fique próxima às 18 mil toneladas de 2012. As vendas também deve estacionar em 800 mil unidades, ou subir modestamente.

“Esse cenário está em linha com o crescimento modesto da economia do país”, diz o vice-presidente da área de chocolates da associação, Ubiracy Fonseca, referindo-se à projeção de crescimento de 1% para o PIB em 2012, feita pelo Banco Central.

As empresas que estão mais otimistas são aquelas que atuam com lojas próprias. A Kopenhagem prevê aumento de 15% no faturamento nesta Páscoa, e a Brasil Cacau, que tem promovido uma intensa ampliação de pontos de venda, espera alta de 160%. Na Cacau Show, a estimativa é de um aumento de 29,2%.

Fonte: UOL