Sábado, 28 de Novembro de 2020 -

Em outubro, CUT leva festa para as crianças no Brás

Publicado em: 04/10/2016
Maria Dias

Maria Dias

A CUT São Paulo, ao lado de sindicatos, igrejas, associações de bairro, comerciantes e moradores locais, prepara a Ciranda Democrática: Festa das Crianças no Brás, que ocorrerá no dia 15 de outubro, das 11h às 16h, na Rua Caetano Pinto, altura do número 575, na cidade de São Paulo.

O objetivo é reunir as crianças deste antigo bairro do centro da capital paulista. A festa é organizada com o valor arrecadado da comemoração do Arraiá da Democracia, ação realizada pelos mesmos organizadores, em julho deste ano.

Com entrada gratuita, brincadeiras tradicionais da cultura brasileira como o pião, a peteca, a amarelinha, o ioiô e a corda de pular estão na programação. Haverá ainda música, danças, brinquedos infláveis e pintura e rosto. Também estão previstas oficinas para as crianças.

Presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo destaca a interação com a comunidade. “A ideia é fazer com que os moradores e moradoras participem com suas famílias. Nossa Central espera estar cada vez mais presente no cotidiano da população, relação que tem a ver com a nossa própria história de luta”, enfatiza.

Riscos para a futura geração

Para Izzo, em tempos de golpe e de retirada de direitos, é preciso lutar contra o retrocesso. “A nova proposta de reforma da Previdência Social, que prevê uma idade mínima de aposentadoria e o estabelecimento de um período mínimo de contribuição, irá prejudicar profundamente crianças e jovens, a nova classe trabalhadora, que terá de ingressar muito cedo no mercado e trabalhar mais para conseguir se aposentar”, alerta.

O dirigente também salienta as mudanças propostas pelo governo ilegítimo de Michel Temer na educação. “Agora ele envia ao Congresso Nacional uma MP (Medida Provisória nº746, de 2016) que propõe mudanças na reforma do ensino médio, querendo alterar carga horária e mexer no financiamento e, até mesmo, na regulamentação da profissão docente. Isso tudo é mais um absurdo desse golpe em curso”, afirma.

Fonte: CUT São Paulo