Quinta-Feira, 01 de Outubro de 2020 -

Governo lança programa de atendimento integral a gestantes e bebês

Publicado em: 28/03/2011

programa

A presidente Dilma Rousseff lança nesta segunda-feira (28), em Belo Horizonte, o programa Rede Cegonha, que prevê investimentos de R$ 9,4 bilhões, até 2014, para garantir atendimento integral a gestantes e a bebês de até dois anos de idade e combater práticas que agravam as taxas de mortalidade materna e infantil. A rede de assistência será implantada mediante o reforço dos hospitais já existentes e a criação de novas estruturas como Casas da Gestante e do Bebê e Centros de Parto Normal, que deverão funcionar em conjunto com a maternidade.

O programa é inspirado no Cegonha Carioca, que a Prefeitura do Rio iniciou em 2010, e prevê a vinculação do pré-natal ao parto, com acompanhamento de cada fase da gestação. Para as mães assíduas aos exames de pré-natal, o Rede Cegonha oferecerá enxoval completo, ambulância na porta de casa e visita prévia para conhecer a maternidade onde será feito o parto.

Os problemas identificados pelo Ministério da Saúde que influenciaram na criação do Rede Cegonha incluem o elevado número de gravidez indesejada, a dificuldade de acesso de muitas mulheres a exames qualificados de pré-natal, práticas inadequadas de parto, além da peregrinação de gestantes, geralmente da periferia das metrópoles, em busca de maternidade.

O programa federal será adotado inicialmente em Porto Alegre (RS), Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Recife (PE), Manaus (AM), Distrito Federal, Rio de Janeiro (RJ), São Paulo e Campinas (SP). Nessas capitais e regiões metropolitanas, segundo o Ministério da Saúde,ocorreram em 2009 mais de 13% dos 1.724 óbitos maternos registrados no país. Ainda de acordo com o ministério, 25% dos mais de 4.600 óbitos infantis registrados anualmente em todo o Brasil acontecem no primeiro dia de vida. E quase 16% deles foram registrados nas nove localidades que contarão inicialmente com os serviços do Rede Cegonha.

MENOS CESARIANAS

O programa também pretende reduzir o número de cesarianas, considerado excessivo, estimulando a realização de partos normais. Enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera aceitável a proporção de 15% para as cesarianas, atualmente 40% dos partos realizados pelo SUS são cesáreos.

“Trata-se de mais uma iniciativa da Presidenta na área da saúde, com foco especial na qualidade de vida das mulheres brasileiras, dois temas prioritários na agenda do atual governo”, informa nota oficial emitida pelo governo neste domingo.

Entre as iniciativas anteriores “que visam a apoiar mulheres, mães, crianças e a família”, a nota destaca o lançamento, no dia 23, de medida para construir seis mil creches e pré-escolas até 2014. Outra decisão citada é a de fortalecer a rede de prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer de mama e do câncer do colo do útero, com investimentos de R$ 4,5 bilhões. O dinheiro será usado para implantar 50 centros de atendimento em mastologia/ginecologia e incentivar estados e municípios a oferecer às mulheres entre 25 e 59 anos o acesso ao exame preventivo do câncer do colo do útero. A verba será usada ainda para assegurar a utilização de todos os equipamentos de mamografia já adquiridos pelo SUS.

Fonte: Brasilia Confidencial