Sábado, 27 de Fevereiro de 2021 -

Jornal da CUT/SP destaca luta das trabalhadoras nos 30 anos da CUT/SP

Publicado em: 05/03/2014
Arte: Maria Dias/SECOM-CUT/SP

Arte: Maria Dias/SECOM-CUT/SP

A edição especial do Jornal da CUT São Paulo de março, mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, traz como lema as “trabalhadoras em luta por uma sociedade com igualdade, liberdade e autonomia”.

Segundo a secretária da Mulher Trabalhadora da CUT/SP, Sonia Auxiliadora, serão distribuídos 50 mil exemplares. “Nosso material será entregue nas bases, nos locais de trabalho e nas ruas, na medida em que dialogamos com os trabalhadores e trabalhadoras sobre temas como a violência contra as mulheres”, afirma.

A construção do Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana para debater a mudança do sistema político no país é a reportagem de capa. A proposta é um dos resultados das manifestações de junho e julho do ano passado, que sacudiram o Brasil, a partir da luta pela redução das tarifas de ônibus em São Paulo.

As conquistas femininas ao longo dos 30 anos da CUT/SP, comemorado em 2014, ganham destaque no material, apresentando as principais lutas feitas pelas trabalhadoras nas ruas e nos locais de trabalho.

A publicação traz também a luta pelas creches públicas, de qualidade e em período integral como um direito das crianças e que beneficia a classe trabalhadora. Para a CUT/SP, os estados e municípios devem priorizar em suas agendas o investimento em educação infantil.

O serviço doméstico é apontado em outra matéria que fala sobre a necessidade de dividir as responsabilidades do lar entre homens e mulheres. Grande parte das trabalhadoras assume no cotidiano esta tarefa pouco valorizada na sociedade, mas indispensável para a organização social e familiar.

O jornal aborda a violência alarmante no estado paulista e a aplicação da Lei Maria da Penha, que só começou. De acordo com dados da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Senado, a violência sexual cresceu 23% entre 2011 e 2012 em São Paulo.

Na área da saúde, as mulheres conseguiram duas importantes conquistas com a aprovação, pela presidenta Dilma Rousseff, da lei que determina o atendimento às vítimas de violência no Sistema Único de Saúde (SUS) e com a nova vacina HPV, lançada pelo Ministério da Saúde, que previne o câncer do colo de útero.

“Mulher, você se vê na TV?” é a matéria que aborda a necessidade de uma mídia plural onde de fato as mulheres se reconheçam. Para mudar essa realidade, a CUT/SP apoia o Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Mídia Democrática.

O Jornal da CUT/SP também informa sobre as atividades do 1° de maio da Central e chama para as mobilizações no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, e no 9 de abril, quando ocorrerá a Marcha unificada da Classe Trabalhadora, para cobrar as bandeiras reivindicadas desde o ano passado ao Governo, como o fim do Projeto de Lei 4330/04, que amplia a terceirização no país.

Para fazer o download da publicação digital ou compartilhar o Jornal Especial Mulher nas redes sociais, blogs e sites, clique aqui.

Fonte: CUT São Paulo – Vanessa Ramos