Quinta-Feira, 22 de Fevereiro de 2018 -

Pesquisa Seade/Dieese indica aumento do desemprego e da informalidade em São Paulo

Publicado em: 05/02/2018

A taxa média de desemprego na região metropolitana de São Paulo foi de 18% no ano passado, a maior desde 2004, segundo pesquisa da Fundação Seade e do Dieese – até 2013, a trajetória era de queda. Na média, a região teve 2,002 milhões de desempregados, 137 mil a mais do que no ano anterior, crescimento de 7,3%.

De acordo com a pesquisa, caiu o emprego com carteira no setor privado (-3,3%, ou menos 165 mil pessoas) e cresceu a ocupação sem carteira (2,6%, ou mais 19 mil). Aumentou, principalmente, o número de autônomos: 7,3% (acréscimo de 109 mil).

No Brasil, dados da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) divulgados nesta quarta-feira (31) mostraram aumento do desemprego de 11,5% para 12,,7% entre 2016 e 2017. Os dados do IBGE também apontam para o crescimento da informalidade em todo o país: o número de trabalhadores por conta própria aumentou em 1,1 milhão de pessoas (4,8%) em 2017, em comparação ao mesmo período de 2016.

O total de ocupados na Região Metropolitana de São Paulo, segundo Seade/Dieese, foi estimado em 9,118 milhões, 119 mil a menos em relação a 2016 (-1,3%).

Entre os setores, a indústria de transformação perdeu 36 mil postos de trabalho, retração de 2,6% – o segmento de metal-mecânica, no qual inclui as montadoras, cresceu 1,2% (6 mil). A construção civil recuou 2,7%, cortando 17 mil vagas, e os serviços eliminaram 71 mil (-1,3%). Houve aumento em comércio/reparação de veículos, que abriu 15 mil vagas (1,9%).

Segundo a pesquisa, o rendimento médio real dos ocupados, estimado em R$ 2.033, caiu 0,8% de 2016 para 2017. A massa de rendimentos caiu 2%.

Apenas no mês de dezembro, a taxa de desemprego na região metropolitana foi de 16,9%, abaixo de novembro (17,2%) e acima de igual mês do ano anterior (16,2%). O número de desempregados foi estimado em 1,857 milhão, menos 44 mil no mês e mais 62 mil em 12 meses.

Fonte: CUT Nacional com apoio da RBA