Quinta-Feira, 18 de Outubro de 2018 -

Quase metade dos que apoiaram a reforma trabalhista não se reelegeu por SP

Publicado em: 10/10/2018

ARQUIVO/AGÊNCIA BRASIL

Sem compromisso com os direitos da classe trabalhadora conquistados nas últimas décadas, 46 deputados federais por São Paulo votaram pela reforma trabalhista em 2017. A lei 13.467 fez modificações na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) alterando regras em questões como férias, planos de carreira, jornada de trabalho e formalizando modelos como o contrato intermitente, em que o trabalhador só recebe por hora trabalhada.

Além de permitir que grávidas trabalhem em locais insalubres, com frio, radiação ou barulho, algo que antes era proibido pela CLT.

A resposta veio das urnas. Dos 46 deputados, 42 voltaram a se candidatar por São Paulo, os mesmos que aprovaram a reforma trabalhista, mas 43% não conseguiram se reeleger. Eles são de partidos que também votaram pela terceirização sem limites da mão de obra e pelo congelamento, por duas décadas, dos investimentos em saúde e educação, entre outros gastos públicos.

O analista político, Neuriberg Dias, do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), avalia que alguns fatores devem ser considerados neste cenário.

“O que pode explicar esta baixa reeleição desses candidatos é a pauta impopular em relação aos temas de trabalho e direitos sociais. O segundo ponto tem a ver com o desempenho de novos partidos que conseguiram um alto coeficiente. Além disso, há um desgaste político com relação a partidos mais tradicionais”, afirma.

A análise de Dias corrobora com a avaliação do professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC), Igor Fuser.

“É possível deduzir do resultado das eleições legislativas que muitos dos parlamentares conservadores que não conseguiram se reeleger foram punidos pelo eleitorado por conta do seu apoio a propostas antipopulares, como a terceirização irrestrita e a reforma da Previdência”, aponta.

Segundo Dias, este sentimento popular de renovação dos parlamentares do Congresso já era observado nas eleições de 2014. “Mas isso não resultou em voto e em mudanças efetivas e os que entraram não tiveram compromisso com as pautas das ruas, com os direitos sociais e trabalhistas”, explica.

Em 2018, esse sentimento tornou a crescer, como comprova a renovação dos parlamentares no Congresso nas eleições de 7 de outubro, mas isso não representa mudanças estruturais, dada a atual composição política, como explica Fuser, para o qual outros fatores devem ser levados em consideração.

“A eleição marcou o afastamento, pela falta de votos, de políticos conservadores filiados a partidos tradicionais da direita. Esses políticos sofreram os efeitos do esvaziamento de partidos como o PSDB e o DEM, que tiveram suas bancadas fortemente reduzidas. As vagas ocupadas por esses deputados, porém, não foram conquistadas pela esquerda, cujos partidos, como o PT, também perderam vagas, embora em menor grau, e sim por pessoas de fora da política institucional que ganharam notoriedade no período recente, com altos graus de exposição pública por meio do processo de impeachment”, afirma.

De acordo com o professor, boa parte do eleitorado brasileiro expressou sua adesão aos discursos da “antipolítica” e da “anticorrupção”, direcionando seus votos a personalidades famosas nas redes sociais e na campanha de oposição aos governos petistas. Mas, avalia Fuser, isso não significou debate aprofundado ou interesse pelos rumos da política brasileira.

“Esses eleitores, na maioria dos casos, usam o voto de uma maneira diferente da convencional. Mostram desinteresse em relação ao que poderá ser a futura atividade política do candidato escolhido, aos projetos de lei ou as votações em que estará envolvido. O voto nesses casos é tão inconsequente quanto uma “curtida”, um “like” ou um “emoticon” numa rede social”, observa.

O papel da internet

Com as redes sociais houve uma mudança de paradigma em relação às últimas eleições, afirma o analista político, Neuriberg Dias.

“As redes sociais se tornaram o principal meio de divulgação de candidaturas. Esse fenômeno superou os meios tradicionais como rádio e televisão. Só que isso traz resultados variados. O que nos preocupa é a veracidade do que é levado ao público. As pessoas precisam avaliar isso porque um dos maiores desafios é combater notícias falsas”, diz.

Para Fuser, esta influência se dá de diferentes formas a cada público. “É natural que, com o aumento estrondoso da influência das redes virtuais nas escolhas dos eleitores, nomes mais vinculados a redes sociais tenham obtido altas votações, às expensas de políticos convencionais.”

Mas, segundo ele, existe uma diferença com relação ao eleitorado que vota em candidatos com pautas mais progressistas. “Esse fenômeno afetou bem menos a esquerda, cujo eleitorado tende a exercer o voto de forma mais racional, a partir da ligação dos candidatos com grupos territoriais ou profissionais, como os sindicalistas que disputam eleições, ou figuras públicas com as quais tem identidade política”, conclui.

Confira, a seguir, os candidatos que votaram contra os trabalhadores e não se reelegeram:

ARTE: MARIA DIAS/CUT-SPArte: Maria Dias/CUT-SP

Fonte: CUT SP