Quinta-Feira, 21 de Janeiro de 2021 -

Ritmo de contratação de temporários deve diminuir

Publicado em: 28/08/2013
Divulgação

Divulgação

As contratações de trabalhadores temporários para este fim de ano devem crescer no comércio varejista, porém num ritmo menor do que o de 2012. Já no polo industrial da Zona Franca de Manaus (AM), a situação é pior: a expectativa é de queda no número de vagas em relação a igual período do ano passado.
Nas contas da Confederação Nacional do Comércio (CNC), o comércio varejista deve abrir 122,9 mil vagas temporárias este ano, um número 1,8% acima do registrado no fim de 2012. No ano passado, a taxa de crescimento dos postos de trabalho para o período foi de 3,8%.

“A desaceleração das vendas deve ter impacto na criação de vagas temporárias do comércio”, afirma o economista da CNC, Fábio Bentes.

Com base em um estudo que considera o dólar a R$ 2,30 em dezembro, crescimento real de 6,3% na concessão de crédito, alta de 1,9% da massa de rendimentos e variação no volume de vendas de 3% até junho, o economista projeta crescimento de 4,5% no volume de vendas do comércio restrito neste Natal. O comércio restrito não engloba as vendas de automóveis e de materiais de construção.

Bentes explica que os setores mais favoráveis às contratações neste ano serão aqueles menos influenciados pela alta do dólar. Os hiper e supermercados e as lojas de móveis e eletrodomésticos devem expandir em 2,6% o número de vagas temporárias neste fim ano em relação ao mesmo período de 2012.

Em seguida vêm as lojas de artigos de vestuário, com expansão de 1,4% no emprego. Já as revendas de eletrônicos e artigos de informática devem registrar retrações de 0,1% e de 1,1% nas contratações, respectivamente, na comparação anual.

Fonte: O Estado de S. Paulo