Terça-Feira, 25 de Junho de 2019 -

Taxa de desemprego sobe e país já tem 13,1 milhões de desempregados

Publicado em: 01/04/2019

Com 27,9 milhões de trabalhadores e trabalhadoras subutilizados, o Brasil bate recordes negativos no mercado de trabalho. São milhões de pessoas desempregadas, ou que desistiram de tentar uma vaga depois de muito procurar, ou aquelas que poderiam e precisam trabalhar mais e não conseguem, pois não há oportunidades no mercado de trabalho.

taxa de desemprego do semestre fechado em fevereiro, divulgada nesta sexta-feira (29) pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) do IBGE, ficou em 12,4% no trimestre fechado em fevereiro e atinge 13,1 milhões de pessoas. Mais 892 trabalhadores ficaram desempregados entre os trimestres móveis de setembro a novembro de 2018 e o atual, encerrado em fevereiro.

Para o presidente da CUTVagner Freitas, os dados comprovam que arrocho salarial e retirada de direitos não geram emprego e renda como tanto o ex-presidente, o ilegítimo Michel Temer (MDB) quanto o atual, Jair Bolsonaro (PSL), querem fazer os brasileiros acreditarem.

“Temer garantiu que a reforma Trabalhista geraria 8 milhões de empregos em dois anos, a equipe econômica de Bolsonaro disse que a reforma da Previdência pode gerar outros milhões de empregos. Não é verdade. As  reformas só beneficiam empresários e banqueiros. Para o trabalhador resta o desemprego, o desalento, a falta de perspectivas”.

Quanto mais direitos eles tiram, quanto mais arrocham salários, como essa proposta de Bolsonaro de acabar com a Política de Valorização do Salário Mínimo, menos empregos são gerados  – Vagner Freitas

Desistiram de procurar emprego

Bateu recorde da série histórica o total de trabalhadores desalentados – 4,9 milhões (12,4%) de brasileiros e brasileiras que precisam trabalhar, já procuraram muito e não conseguiram uma recolocação no mercado de trabalho.

Subutilizados também bate recorde

A população subutilizada subiu para 27,9 milhões de pessoas (24,6%), com alta de 3,3% no trimestre, mais 901 mil pessoas desempregadas em relação ao trimestre de setembro a novembro de 2018.

11,1 milhões sem carteira assinada

O número de trabalhadores e trabalhadoras no setor privado com carteira assinada ficou estável em 33 milhões. Já o número de empregados sem carteira assinada (11,1 milhões) caiu (-4,8%) na comparação com o trimestre anterior (menos 561 mil pessoas) e subiu 3,4% (mais 367 mil pessoas) comparado ao mesmo trimestre de 2018.

23,8 trabalham por conta própria

A categoria dos trabalhadores por conta própria (23,8 milhões) ficou estável na comparação com o trimestre anterior e cresceu 2,8% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (mais 644 mil pessoas).

6,7 milhões gostariam de trabalhar mais, mas não conseguem

O contingente de pessoas subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas  teve redução de -4,8% em relação ao trimestre anterior (-341 mil pessoas), mas continua alto e atinge 6,7 milhões de trabalhadores.

Dados do trimestre de dezembro de 2018 a fevereiro de 2019:

– Desemprego cresceu para 12,4%, ou seja, são 13,1 milhões de trabalhadores sem emprego

– Taxa de subutilização da força de trabalho (24,6%) é recorde

– Número de desalentados (4,9 milhões de pessoas) é o maior da série do IBGE

– População fora da força de trabalho é recorde: 65,7 milhões de pessoas

– População ocupada ficou em 92,1 milhões de pessoas

– Empregados com carteira assinada somaram 33 milhões; e sem carteira, 11,1 milhões

– Trabalhadores por conta própria são 23,8 milhões

Confira aqui os gráficos do IBGE.

Fonte: CUT