Domingo, 18 de Abril de 2021 -

Carrefour anuncia proposta de fusao com o Pão de Açucar

Publicado em: 28/06/2011
O grupo francês Carrefour anunciou nesta terça-feira,28, ter recebido uma proposta de fusço de ativos no Brasil com os da CBD (Companhia Brasileira de Distribuição), que agrega lojas do Pço de Açúcar, Extra e Compre Bem. Se a fusço for concretizada, as duas empresas integrarço o maior grupo varejista do Brasil.
A proposta foi formulada em 27 de junho pela empresa brasileira Gama, que pertence ao fundo BTG Pactual, com o apoio financeiro do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).
Se a operação for concretizada, a Gama se tornará um grande acionista do Carrefour, número dois mundial do setor de distribuição, com uma participação de 18% em seu capital.
No início da sessço na Bolsa de Paris, após o anúncio da proposta, a ação do Carrefour subia 1,64% a 26,88 euros, enquanto a do grupo Casino, seu principal concorrente, caía 3,02% a 63,91 euros.
“A operação será, a princípio, muito benéfica para o Carrefour, cujos resultados no Brasil sço decepcionantes e que em 2010 perdeu a liderança na distribuição de alimentos para a CBD”, afirma uma nota de análise do agente da Bolsa Aurel. “As sinergias e as reduções de custos potenciais, combinada com a força de venda do novo conjunto, devem melhorar a rentabilidade da nova entidade”, acrescenta o texto.
O Conselho Administrativo do Carrefour deve se reunir nos próximos dias para analisar a proposta. Representantes do Pço de Açúcar e do Carrefour darço uma coletiva de imprensa nesta manhç para anunciar detalhes da proposta.
CASINO
O grupo Casino, dono de 37% da CBD –principalmente através da holding Wilkes, dirigida em conjunto com o empresário Abilio Diniz–, afirmou em um comunicado oficial que a negociação divulgada hoje pelo Carrefour é ilegal.
“Em virtude dos acordos públicos assinados pela Casino com Abilio Diniz, qualquer negociação envolvendo o futuro da CBD não pode ocorrer sem a participação da Casino”, afirma a empresa.
No centro da controvérsia está o acordo entre o Casino e o grupo de Diniz que permite que a companhia francesa assuma o controle do Pço de Açúcar, se optar por isso daqui um ano.
A opção do acordo entre Casino e Diniz foi instituída em 2006, quando ambos fundaram a holding Wilkes, que detém 66% das ações com direito a voto do Pço de Açúcar. Se exercer a opção, o Casino poderá indicar um nome para a presidência do conselho do Pço de Açúcar.
Sob as regras do acordo que criou a Wilkes, nenhuma das partes pode entrar em negociações de fusço sem o consentimento da outra.
“Inicialmente, a Casino recordou esta obrigação a Abilio Diniz e ao Carrefour. Apesar deste aviso, eles continuaram as discussões, ignorando deliberadamente tanto a lei quanto a ética básica dos negócios.”
A ação de Diniz fez o Casino entrar no mês passado com um pedido de arbitragem internacional contra o grupo do empresário brasileiro, sob o argumento de que as conversas com o Carrefour descumpriram os termos de acordo entre ambos.
Ainda na nota emitida hoje, o grupo Casino afirmou que irá examinar nos próximos dias “a melhor forma de defender os interesses corporativos da CBD e de seus acionistas que parecem comprometidos por este projeto”.
Com France Presse e Reuters

thumb-30

O grupo francês Carrefour anunciou nesta terça-feira,28, ter recebido uma proposta de fusão de ativos no Brasil com os da CBD (Companhia Brasileira de Distribuição), que agrega lojas do Pão de Açúcar, Extra e Compre Bem. Se a fusão for concretizada, as duas empresas integrarão o maior grupo varejista do Brasil.

A proposta foi formulada em 27 de junho pela empresa brasileira Gama, que pertence ao fundo BTG Pactual, com o apoio financeiro do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Se a operação for concretizada, a Gama se tornará um grande acionista do Carrefour, número dois mundial do setor de distribuição, com uma participação de 18% em seu capital.

No início da sessão na Bolsa de Paris, após o anúncio da proposta, a ação do Carrefour subia 1,64% a 26,88 euros, enquanto a do grupo Casino, seu principal concorrente, caía 3,02% a 63,91 euros.

“A operação será, a princípio, muito benéfica para o Carrefour, cujos resultados no Brasil são decepcionantes e que em 2010 perdeu a liderança na distribuição de alimentos para a CBD”, afirma uma nota de análise do agente da Bolsa Aurel. “As sinergias e as reduções de custos potenciais, combinada com a força de venda do novo conjunto, devem melhorar a rentabilidade da nova entidade”, acrescenta o texto.

O Conselho Administrativo do Carrefour deve se reunir nos próximos dias para analisar a proposta. Representantes do Pão de Açúcar e do Carrefour darão uma coletiva de imprensa nesta manhã para anunciar detalhes da proposta.

CASINO

O grupo Casino, dono de 37% da CBD –principalmente através da holding Wilkes, dirigida em conjunto com o empresário Abilio Diniz–, afirmou em um comunicado oficial que a negociação divulgada hoje pelo Carrefour é ilegal.

“Em virtude dos acordos públicos assinados pela Casino com Abilio Diniz, qualquer negociação envolvendo o futuro da CBD não pode ocorrer sem a participação da Casino”, afirma a empresa.

No centro da controvérsia está o acordo entre o Casino e o grupo de Diniz que permite que a companhia francesa assuma o controle do Pão de Açúcar, se optar por isso daqui um ano.

A opção do acordo entre Casino e Diniz foi instituída em 2006, quando ambos fundaram a holding Wilkes, que detém 66% das ações com direito a voto do Pão de Açúcar. Se exercer a opção, o Casino poderá indicar um nome para a presidência do conselho do Pão de Açúcar.

Sob as regras do acordo que criou a Wilkes, nenhuma das partes pode entrar em negociações de fusão sem o consentimento da outra.

“Inicialmente, a Casino recordou esta obrigação a Abilio Diniz e ao Carrefour. Apesar deste aviso, eles continuaram as discussões, ignorando deliberadamente tanto a lei quanto a ética básica dos negócios.”

A ação de Diniz fez o Casino entrar no mês passado com um pedido de arbitragem internacional contra o grupo do empresário brasileiro, sob o argumento de que as conversas com o Carrefour descumpriram os termos de acordo entre ambos.

Ainda na nota emitida hoje, o grupo Casino afirmou que irá examinar nos próximos dias “a melhor forma de defender os interesses corporativos da CBD e de seus acionistas que parecem comprometidos por este projeto”.

Fonte: Uol com France Presse e Reuters

Postado por assessoria de imprensa/Raquel Duarte

LEIA TAMBÉM