Domingo, 13 de Junho de 2021 -

Copa do Mundo é chance de aprofundar debates sobre racismo no Brasil, afirma dirigente

Publicado em: 21/05/2014
Divulgação

Divulgação

A Campanha “Copa sem Racismo” foi lançada pelo Governo Federal no início de maio, em Brasília. O objetivo é utilizar os jogos da Copa do Mundo no Brasil para aprofundar o combate ao preconceito racial no País.

A iniciativa do governo, composta principalmente de vídeos – em canais de TV aberta e Internet – e movimento nas redes sociais, é considerada pela secretária nacional de Combate ao Racismo da CUT, Maria Júlia Reis Nogueira, uma iniciativa importante para o movimento negro. “A omissão de uma pauta é uma das formas de cercear a luta do movimento. A partir do momento em que o governo coloca como tema principal da Copa o combate ao racismo, quebra-se esse muro de invisibilidade e coloca-se na frente uma batalha que é histórica para a CUT”, destaca Maria Júlia.

Todas as ações de combate ao racismo são importantes

Para a dirigente, a conscientização da sociedade é um processo amplo, que passa também pelo combate ao racismo institucionalizado, pela educação para a diversidade e pela construção de políticas públicas.

“Devemos ter também atenção para temas como a Lei 10.639/03 [que institui o ensino de História e Cultura Afro-brasileira nas escolas], as cotas raciais em Universidades e concursos públicos, o combate aos genocídios nas periferias, com o fim dos Autos de Resistência. É uma série de ações conjuntas que garantem uma sociedade mais igualitária entre negros e brancos. A campanha na Copa é uma importante iniciativa que permite trazermos outros debates que dizem respeito ao povo negro. E devemos aproveitá-la.”, afirma a dirigente.

“Para nós, da CUT, todas as ações de combate ao racismo são de extrema importância, não só no momento em que todos os olhares estarão voltados para o Brasil, mas em todos os momentos. A CUT reafirma o seu compromisso de lutar contra o preconceito todos os dias.”, complementa.

Racismo já é considerado crime inafiançável e imprescritível pela Lei 7.716/89 e pela Constituição Federal. Mas, segundo Maria Júlia, ainda há muito a ser enfrentado. “Ainda há disparidade salarial entre brancos e negros, ainda há menor número de negros nas Universidades, ainda há luta árdua pela frente”, lembra.

Fonte: CUT Nacional – Henri Chevalier

LEIA TAMBÉM

Brasil Smiles/Secor: Quando foi a última vez que você visitou o dentista?

A recomendação de especialistas é que a visita ao dentista seja feita a [...]
LEIA MAIS