Domingo, 05 de Dezembro de 2021 -

Lula diz que não há no mundo movimento sindical como o brasileiro

Publicado em: 27/02/2013
Instituto Lula

Instituto Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva abriu, na manhã desta quarta-feira, a primeira Plenária da Direção Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT) deste ano. Lula falou durante cerca de 40 minutos para uma plateia de dirigentes e sindicalistas e elogiou o movimento sindical brasileiro e a CUT.

Durante o discurso de improviso, Lula contou experiências de sua carreira sindical e disse que hoje não dá mais pra imaginar o Brasil sem a CUT. “A maior conquista da CUT não foi a luta por salário ou uma hora a mais, uma hora a menos [de trabalho semanal]. Foi o alto grau de conscientização política do trabalhador”. E terminou parabenizando a CUT por seus 30 anos e com um elogio. “Antigamente eu achava que o movimento sindical italiano poderia ser mais organizado que o nosso. Hoje eu não acho mais”, completou.

Em seu resgate histórico das lutas dos trabalhadores, Lula lembrou que muitas vezes “tínhamos que falar grosso até demais para subir um degrau muito pequeno”, mas que hoje a situação é completamente diferente. O ex-presidente citou o exemplo dos Estados Unidos, onde recentemente ele visitou a central dos trabalhadores na indústria automotiva e aeroespacial, a CAW. “Nos Estados Unidos, a Nissan, que é dirigida por um brasileiro, não permite que seus trabalhadores se sindicalizem, esta é a luta deles. Não é El Salvador, não é Nicarágua, não é a Namíbia, é nos EUA onde muitos trabalhaodres em muitos locais são proibidos de se sindicalizarem”.

Lula também falou sobre seu papel no governo e a relação com os sindicalistas. Lembrou que recebeu os sindicatos que pediam a regulamentação da jornada de 40 horas semanais e ele defendeu que o movimento não deveria esperar por uma solução do governo. “Eu disse: se eu fosse vocês, não esperaria por medida provisória do governo, eu sairia pelo Brasil para politizar esse debate nas portas de fábricas. No final, os ganhos são muito maiores do que ficar dependendo de uma medida do governo”.

Como já havia feito em discursos em sua recente viagem pelo Caribe e Estados Unidos, Lula falou do papel da imprensa dos movimentos sociais. “Eles [a grande imprensa] não gostam de mim, não vão me dar espaço mesmo”. E ele estimulou que os sindicatos conversem mais e trabalhem a imensa rede de rádios, sites, blogs e até TVs, como a TVT, que transmitiu o evento ao vivo.

O ex-presidente encerrou sua fala estimulando os sindicalistas a viajarem o Brasil para conhecer in loco as especificidades e as demandas de cada região. “Temos que fortalecer ainda mais a CUT. O Brasil não saberia mais como viver sem a CUT”.

Fonte: Instituto Lula

LEIA TAMBÉM

71,4% dos 8,9 milhões que perderam emprego na pandemia eram negros, diz Dieese

Para os não negros, os impactos da crise sanitária foram menores: dos 2,5 [...]
LEIA MAIS