Sábado, 12 de Junho de 2021 -

Movimentos realizam nesta terça (10) Dia Nacional de Mobilização e Paralisação contra o Golpe

Publicado em: 10/05/2016
Divulgação

Divulgação

Nesta terça, 10 de maio, movimentos sindical e sociais realizam em diferentes cidades o Dia Nacional de Mobilização e Paralisação contra o Golpe e em Defesa dos Nossos Direitos.

Por todo o Brasil, a população estará mobilizada em atos e paralisações para alertar sobre os riscos do golpe em curso no País e o retrocesso que isso irá representar nos direitos trabalhistas e sociais.

Para isso, atividades como passeatas, aulas públicas e panfletagens também irão fortalecer a ação nas ruas. Diferentes categorias da classe trabalhadora já sinalizaram adesão à data, que ocorre na semana em que o Senado ameaça votar a abertura do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, mesmo sem haver crime de responsabilidade, conforme pede a Constituição.

No entanto, a decisão tomada nesta segunda-feira (9) pelo presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP), de anular a votação ilegal do processo de impeachment da presidenta Dilma, pode alterar o processo.

Segundo Douglas Izzo, presidente da CUT São Paulo, esse fato faz com que as mobilizações programadas para o dia 10 de maio se tornem ainda mais importantes.

“Sabemos que somente o povo nas ruas é que pode impedir de uma vez por todas este golpe. Não podemos ter a ilusão de que os golpistas aceitarão esta anulação. Desde 2014 eles não aceitam o resultado das eleições, então não será agora que eles abandonarão a política do quanto pior, melhor. Neste dia 10 é importante que a classe trabalhadora e os movimentos sociais organizados deixem bem claro que não aceitarão o golpe e nenhuma retirada de direitos.”

Ponte para o passado
Desde as eleições de 2014, quando a presidenta Dilma Rousseff foi reeleita pelo voto popular, o PSDB vem articulando o golpe, contando com a traição do PMDB e o apoio de todos os que são contrários às políticas públicas dos governos Lula e Dilma, não aprovando, no Congresso Nacional, nenhuma das reformas que o governo propôs e nem os aumentos necessários de receita para que o governo conseguisse superar a crise política e financeira.

Além disso, não há crime de responsabilidade contra a presidenta que justifique o processo de impeachment iniciado por Eduardo Cunha (PMDB), réu no Supremo Tribunal Federal e acusado de participação em diferentes crimes, e que pode colocar Michel Temer (PMDB) na Presidência do Brasil.

As medidas econômicas do golpista Temer são as mesmas medidas derrotadas nas eleições de 2014. Essas medidas são contra a população, especialmente a classe trabalhadora, pois um provável governo do PMDB irá governar para o capital financeiro, os grandes empresários, os latifundiários, e a elite do Brasil.

Os golpistas apresentaram suas propostas no documento chamado “Ponte para o Futuro”, que aposta contra a democracia e exigirá muita resistência do povo brasileiro e dos movimentos sindical e sociais. Confira alguns pontos:

– Fim à política de valorização do salário mínimo;

– Extinção de programas sociais, como o Bolsa Família, Prouni, Fies, Pronatec, Minha Casa, Minha Vida, que ajudam a reduzir as desigualdades sociais;

– Acabar com a Carteira Assinada (CLT) ao permitir que acordos coletivos estejam acima das leis trabalhistas;

-Terceirização sem limites e precarização dos empregos;

– Ampliar a idade mínima para a aposentadoria para 65 anos;

– Piorar a saúde e a educação com a desvinculação dos recursos que hoje fazem parte do atual sistema de financiamento dessas áreas;

– Privatizar todas as nossas empresas, subordinando as riquezas do Brasil, como o petróleo e o pré-sal, aos interesses dos EUA.

Fonte: CUT São Paulo

LEIA TAMBÉM

Brasil Smiles/Secor: Quando foi a última vez que você visitou o dentista?

A recomendação de especialistas é que a visita ao dentista seja feita a [...]
LEIA MAIS