Sexta-Feira, 03 de Dezembro de 2021 -

MPF abre inquérito para investigar denúncias contra o McDonald’s

Publicado em: 10/03/2016
Divulgação

Divulgação

O Ministério Público Federal em São Paulo abriu um inquérito civil para investigar uma série de denúncias contra a Arcos Dorados, empresa que controla as operações do McDonald’s no Brasil. O órgão vai analisar a suspeita de práticas como a concorrência desleal, violação de leis antitruste e sonegação fiscal.

A Arcos Dorados informou, por nota, que ainda não foi notificada sobre o inquérito. “Assim que isso ocorrer, apresentaremos as devidas informações e esclarecimentos ao Ministério Público Federal”. A dona da rede de fast food disse ainda ter “plena convicção do cumprimento de todas as leis em todos os mercados onde atua”.

Segundo o MPF, o procurador Marcos José Gomes Corrêa, responsável pelo caso, já pediu ao McDonald’s que envie esclarecimentos sobre as denúncias. O órgão ainda vai analisar a representação para então decidir se há elementos para ingressar com uma ação contra a empresa.

Ação civil pública

Há um ano, representantes de centrais sindicais, federações e sindicatos entraram com uma ação civil pública contra a rede de fast food pela suposta violação de direitos trabalhistas e concorrência desleal por exploração de funcionários (dumping social).

Entre as denúncias, as entidades acusaram a rede, uma das maiores empregadoras do Brasil, de praticar a jornada móvel variável – proibida pela justiça em 2013 –, pagar salários inferiores ao mínimo, não remunerar horas extras e desrespeitar intervalos de descanso.

Na ação, os sindicatos também argumentaram que havia indícios de que a empresa teria fraudado holerites e submetido os funcionários a atividades insalubres sem proteção, além do acúmulo de funções sem remuneração.

Na ocasião, o McDonald’s informou ter “absoluta convicção de suas práticas laborais e do cumprimento de todas as normas e legislações às quais está sujeita” e disse cumprir “todos os acordos firmados com o Ministério Público em todo o país”.

Fonte: G1

LEIA TAMBÉM

71,4% dos 8,9 milhões que perderam emprego na pandemia eram negros, diz Dieese

Para os não negros, os impactos da crise sanitária foram menores: dos 2,5 [...]
LEIA MAIS