Domingo, 05 de Dezembro de 2021 -

No Dia Nacional de Paralisação e Mobilização, Secor comemora 39 anos de lutas em defesa dos comerciários

Publicado em: 27/05/2015
Assessoria/Secor

Assessoria/Secor

No dia em que centrais sindicais, sindicatos, trabalhadores e movimentos sociais vão às ruas no “Dia Nacional de Paralisação e Mobilização”, em 29 de maio, o Secor comemora seus 39 anos de história repletos de muita luta e conquistas para sua categoria.

“Não poderia ser diferente, vamos comemorar o aniversário de nosso Secor nas ruas com os trabalhadores e os sindicatos amigos da região. Vamos nos mobilizar contra o Projeto de Lei 4330, que amplia a terceirização e precariza as relações trabalhistas, em tramitação no Senado, e contra a aprovação das Medidas Provisórias 664 e 665, que visam apenas dificultar o acesso dos trabalhadores a benefícios previdenciários, abono salarial e seguro-desemprego, por exemplo”, afirmou o presidente do Sindicato, José Pereira Neto.

O Sindicato já tem como tradição participar de lutas gerais da classe trabalhadora, que não atingem apenas os comerciários, e de atuar em greves e movimentos sociais organizados na região. “Como representante oficial dos trabalhadores, é nosso dever mostrar para eles as consequências que esses ataques do Congresso Nacional aos nossos direitos trarão para todos. Vamos nos organizar na região e realizar uma mobilização com os sindicatos e trabalhadores”, afirmou Neto.

Há quase quatro décadas, o Secor vem cumprindo sua função social atendendo, da melhor maneira possível, os trabalhadores da base; garantindo trabalho e vida digna para a categoria; e construindo mecanismos onde a igualdade social seja a base dos comerciários. “Durante esses anos, tivemos muitas vitórias para comemorar, como a Lei 12.790/13, sancionada pela presidente Dilma Rousseff, que regulamenta a profissão do comerciário. Agora, vivemos um momento, em que é essencial irmos às ruas e lutar com todas as nossas forças para podermos comemorar depois os vetos de projetos e medidas que vão contra a classe trabalhadora”, completou o presidente.

Fonte: Assessoria de Imprensa

LEIA TAMBÉM

71,4% dos 8,9 milhões que perderam emprego na pandemia eram negros, diz Dieese

Para os não negros, os impactos da crise sanitária foram menores: dos 2,5 [...]
LEIA MAIS