Quarta-Feira, 14 de Abril de 2021 -

Nossa água: Contra crise da água, Prefeitura da capital licitará construção de poços artesianos

Publicado em: 25/09/2014
Divulgação

Divulgação

As medidas de enfrentamento à crise da água que assola São Paulo ressaltam, mais uma vez, os diferentes caminhos para gestão do problema.

Enquanto o governador Geraldo Alckmin (PSDB) continua negando o racionamento e não anuncia qualquer medida concreta para o abastecimento de água, a prefeitura da capital realizará licitação para construir poços artesianos que garantam o abastecimento emergencial em serviços públicos essenciais, como hospitais e creches.

De acordo com a Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras (SMSP), a construção será por meio de licitação por ata de registro de preços, tipo de concorrência que formaliza o valor dos serviços e obras para futuras contratações. Na prática, a medida simplifica e agiliza a licitação em situações especiais e de emergência, com economia e transparência do processo.

Os locais para instalação serão indicados pelas subprefeituras da capital. Em matéria publicada na terça (23) no O Estado de S.Paulo, o engenheiro José Carlos Masi, assessor técnico de obras e serviços da SMSP, explicou que a proposta prevê a construção de quatro tipos de poços semiartesianos e 120 metros de profundidade, em média.

E o volume morto…

Nesta quarta (24), o volume morto do Sistema Cantareira chegou a 7,8%, segundo o gráfico da situação dos mananciais divulgado pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo S.A). Formado pelos rios Jaguari, Jacarei, Cachoeira, Atibainha e Juqueri, o reservatório é o maior da Região Metropolitana paulista, abastecendo cerca de 8,1 milhões de pessoas nas zonas norte, centro e parte das zonas leste e oeste da capital, além de municípios como Osasco, Carapicuíba e São Caetano.

No Sistema Tietê, o nível armazenado é de 12,4%. Formado pelos rios Tietê, Claro, Paraitinga, Biritiba, Jundiaí, Grande, Doce, Taiaçupeba-Mirim, Taiaçupeba-Açu e Balainho, abastece 3,3 milhões de habitantes da zona leste paulistana e das cidades de Arujá, Poá, Mauá, Mogi das Crises e parte de Santo André e Guarulhos.

Fonte: CUT SP

LEIA TAMBÉM