Domingo, 05 de Dezembro de 2021 -

Sorria, você já foi marcado!

Publicado em: 24/07/2014
Divulgação

Divulgação

É fato que não temos mais privacidade com toda tecnologia. Mesmo contra sua vontade, seus amigos podem tirar uma foto sua ou até mesmo indicar sua presença em qualquer lugar fazendo o famoso “check in”.

Tudo pode parecer muito normal hoje em dia, mas quando voltamos essa falta de privacidade para o trabalho temos que ficar atentos para um perigo eminente.

Em nome da segurança, muitas empresas (legalmente) já estão monitorando os conteúdos das mensagens de envio e recebimento dos seus usuários. Por causa disso, sempre oriento que conteúdos particulares sejam destinados para e-mails pessoais.

Mas essa linha divisória entre sua vida profissional e pessoal já não existe mais.

Recentemente, vimos casos de demissão de profissionais que não tiveram fora do trabalho uma conduta condizente com a que sua empresa pregava. Ou seja, o que você anda fazendo fora do horário de expediente pode te prejudicar na empresa.

O que me preocupa no excesso dessa exposição são os pré-julgamentos infundados. Somos pessoas com vários interesses diferentes que vão além do trabalho.

Nem sempre todos conseguem trabalhar em algo que se identificam 100%. Por isso, dedicar-se a um hobbie diferente é a válvula de escape para lidar com a pressão do trabalho no dia a dia.

Vou contar um caso que presenciei de perto. Um funcionário exemplar da linha de produção de uma multinacional da indústria automobilística também tinha gosto pela dança. Perfeitamente normal. Por trabalhar num ambiente fabril, preferiu não comentar sobre seu hobbie para colegas da empresa.

Acontece que o grupo de dança fez uma apresentação de sua coreografia num evento privado e uma foto foi tirada (por alguém desconhecido) desse funcionário dançando e foi espalhada de forma vexatória pelos murais da empresa.

Ele sofreu com as gozações dos colegas e acabou pedindo demissão da empresa que trabalhava há mais de 12 anos! Mais uma vítima da exposição virtual.

Já não é mais segredo que selecionadores analisam seu perfil nas redes sociais antes de convocar para a entrevista. Em minha opinião, não há nada de errado em dar uma olhada no perfil dos candidatos para conhecê-los um pouco melhor.

No entanto, tenho percebido que as redes sociais estão sendo utilizadas de forma questionável por alguns selecionadores de recursos humanos. Uma coisa é olhar perfil de alguém com intuito de conhecer melhor seus hábitos, outra coisa é julgar um profissional por seus hobbies e interesses.

E a má noticia não para por aí. Já tem empresa criando vagas para profissionais bisbilhotarem os conteúdos e pensamentos que seus colaboradores postam nas redes sociais.

Essa vigilância permanente nos levará a uma sociedade de profissionais falsos? Sou incapaz de responder essa pergunta, mas enquanto isso, se liga no que anda postando!

Fonte: UOL – Daniela do Lago

LEIA TAMBÉM

71,4% dos 8,9 milhões que perderam emprego na pandemia eram negros, diz Dieese

Para os não negros, os impactos da crise sanitária foram menores: dos 2,5 [...]
LEIA MAIS