Sábado, 20 de Abril de 2024 -

Tribunal Superior do Trabalho condena rede de fast food Habib’s por coação política de seus trabalhadores

Publicado em: 22/03/2024

Na quarta-feira, 13 de março, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) emitiu uma decisão histórica condenando a rede de fast food Habib’s a pagar uma multa de R$ 300 mil reais por dano moral coletivo. A condenação veio após a empresa obrigar seus funcionários a se manifestarem contra o governo da então presidenta Dilma Rousseff (PT), em 2016.

A ação foi movida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Bares e Restaurantes de Águas de Lindóia e Região (Sinthoresca), filiado à Central Única dos Trabalhadores (CUT) e à Contracs, contra a Alsaraiva, razão social do Habib’s, e empresas franqueadas.

Segundo relatos do presidente do Sindicato, Antonio Carlos da Silva Filho, a decisão do TST representa uma vitória significativa contra a prática abusiva da empresa, que coagiu os trabalhadores a se manifestarem politicamente. Os funcionários foram obrigados a vestirem camisetas verde e amarelas com o slogan “Quero o meu país de volta”, como parte de uma campanha denominada “Fome de mudança”, lançada durante o auge das manifestações contra Dilma Rousseff em 2016.

A ministra Maria Helena Mallmann, relatora do caso na Segunda Turma do TST, destacou que a coação política no ambiente de trabalho configura abuso do poder diretivo empresarial. A condenação foi unânime entre os membros da turma.

Em comunicado, o presidente do Sinthoresca ressaltou que a decisão abre precedentes para que outras empresas sejam responsabilizadas por práticas similares, especialmente à luz das eleições de 2022. Durante esse período, CUT e outras centrais sindicais denunciaram casos de assédio em empresas e disponibilizaram canais para que os trabalhadores pudessem relatar suas queixas.

O Habib’s ainda tem a possibilidade de recorrer da decisão. No entanto, caso a decisão se mantenha, o valor da indenização será destinado ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). O presidente do Sinthoresca encerrou o comunicado ressaltando a importância da decisão como uma lição para outros setores empresariais, destacando que interferir no direito de escolha político dos trabalhadores é uma violação grave que não será tolerada.

Essa condenação, que se originou de um movimento do sindicato, evidencia a importância da proteção dos direitos dos trabalhadores e reforça a necessidade de garantir ambientes de trabalho livres de coações políticas indevidas.

Com informações da CUT

LEIA TAMBÉM

Secor recebe chefe de gabinete da deputada estadual Márcia Lia do PT, Meire Silva

Na última sexta-feira, dia 12 de abril, o Sindicato dos Empregados no Com [...]
LEIA MAIS