Sexta-Feira, 25 de Setembro de 2020 -

Mundo chega a 20 milhões de casos de Covid-19 em meio a busca pela vacina

Publicado em: 12/08/2020

Em meio a correia global em busca de uma vacina eficaz contra a Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, o mundo alcançou nesta segunda-feira (10) a marca de 20 milhões de casos da doença e 733.897 vítimas fatais, segundo a Universidade Johns Hopkins. Atualmente, 133 vacinas contra o coronavírus estão sendo desenvolvidas por cientistas de todo o mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O Brasil, segundo país do mundo mais afetado pela crise sanitária, com 3 milhões de casos e mais de 100 mil vidas perdidas, e Estados Unidos, com 5.085.821 casos e 163.370 mortes são os mais interessados em uma vacina.

Mas é a Rússia, quarto país mais abalado pela pandemia que deve sair na frente. Autoridades do país anunciaram nesta terça-feira (11) que a Rússia é a primeira nação a registrar oficialmente uma vacina contra a Covid-19 e declará-la pronta para uso. O presidente Vladimir Putin ressaltou que a vacina passou pelos testes necessários e se mostrou eficaz, oferecendo imunidade duradoura ao novo coronavírus.

No entanto, a velocidade da vacina levou a OMS, cientistas nacionais e internacionais a reagirem com cautela e pedirem mais informações à Rússia sobre a produção da vacina. Após anúncio do governo russo de registro da primeira vacina contra o coronavírus, o Ministério da Saúde informou que vai apoiar qualquer vacina que tenha a eficácia comprovada para que “todos os brasileiros tenham acesso a ela”, independentemente da nacionalidade da vacina.

Atualmente, o Brasil investe na vacina britânica produzida pela Universidade de Oxford, em parceria com a farmacêutica Astrazeneca e a Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz). No mundo, há vacinas em testes principalmente na China, Inglaterra e Rússia.

Estados Unidos são responsáveis pelo maior número de vacinas sendo pesquisadas, com 42 projetos, seguido pela China que está trabalhando em outros 19 experimentos de imunização.

Brasil

O Brasil mantém a média móvel de 1.022 vidas perdidas por dia, um sinal de que a pandemia ainda está longe de apresentar sinal de melhoras. Nesta segunda-feira (10), o total acumulado de vidas perdidas chegou a 101.857, com 721 novos óbitos em 24 horas, segundo o consórcio de imprensa.

Com mais de 3 milhões de pessoas infectadas pela doença, a OMS alertou que “não há motivos para alívio no Brasil” porque os novos casos diários ainda estão num platô muito alto, entre 50 mil e 60 mil por dia, e a taxa de transmissão se elevou.

No entanto, dez estados tiveram desaceleração da média móvel de mortes por Covid-19 nesta segunda (10), são eles: AC, AL, CE, MA, PB, PA, RJ, RO, RR e SE.

Outros 8 apresentaram tendência de alta, são eles: AM, BA, MG, MS, RS, SC SP e TO.

Em estabilidade há dias, São Paulo teve aceleração de 19% nesta segunda porque há duas semanas, quando as médias foram comparadas, o estado não publicou números, o que fez com que, naquele dia, sua média móvel caísse.

Norte vive fase de queda de 21% no número médio de mortes em comparação com os últimos 14 dias, enquanto Nordeste teve queda de 13%. Já o Centro-Oeste um aumento de 6% e o Sudeste de 9%, mas apresenta estabilidade. Sul segue como única região em alta com18%.

O estado do Paraná não divulgou seus dados nesta segunda-feira (10) e manteve estabilidade.

Ainda com tendência de alta, o estado do Rio Grande do Sul registrou nesta segunda-feira (10) 57 mortos por Covid-19, doença que já provocou a morte de 2.417 pessoas desde o início da pandemia no Estado. Também foram confirmados 98 novos casos da doença, elevando o total para 84.034.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI no Estado estava em 77,6%. Já em Porto Alegre, voltou a ultrapassar os 90% com 370 pacientes diagnosticados ou com suspeita de contaminação pelo novo coronavírus.

Apesar disso, o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr. (PSDB) publicou um decreto, na noite desta segunda-feira, liberando a retomada de atividades econômicas nos setores do comércio, indústria e serviços.

Paraíba

Com tendência de queda, a ocupação total de leitos de UTI em todo o estado da Paraíba é de 44%. Fazendo um recorte apenas dos leitos de UTI para adultos na Região Metropolitana de João Pessoa, a taxa de ocupação chega a 49%. Em Campina Grande, estão ocupados 41% dos leitos de UTI adulto e no sertão, 43%.

Nesta segunda (10), a Paraíba registrou 284 novos casos de Covid-19 e 23 óbitos confirmados em consequência da doença. Até o momento, 90.366 pessoas já contraíram a doença, 44.155 já se recuperaram e 2 mil morreram no estado.

Bahia

Na Bahia, o governador do estado, Rui Costa (PT), adotou ao longo dos últimos meses diversas medidas restritivas, tais como, suspensão de transporte intermunicipal, lockdown, toque de recolher, dentre outras, com objetivo em diminuir a curva de crescimento do coronavírus no estado. Até o final da semana, espera-se que o governador renove o decreto estadual adiando o retorno às aulas, assunto que tem preocupado pais e alunos da rede estadual de ensino.

Já o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), anunciou em coletiva de imprensa que tudo indica não haver condições para retorno às aulas para os alunos da educação infantil este ano.

O estado da Bahia registra um total de 194.097 infectados e 4.011 é o número de mortos pela doença. Feira de Santana (9.158), Itabuna (6.767), Lauro de Freitas (4.839) e Camaçari (4.574) são as cidades que lideram o número de infectados pela Covid-19.

Fonte: CUT