Quinta-Feira, 18 de Julho de 2024 -

Você conhece a história do Dia Internacional da Mulher?

Publicado em: 08/03/2021

O Dia Internacional da Mulher surgiu durante um período da história em que o movimento pelos direitos femininos se tornou uma questão de sobrevivência e dignidade. Décadas antes de o direito ao voto ser conquistado, as trabalhadoras lutavam por melhores condições de trabalho (que eram desumanas) e salários mais justos (elas recebiam muito menos que os homens).

Não havia segurança nas fábricas, acidentes eram comuns e as jornadas eram extremamente longas. A industrialização das cidades trouxe empregos precários e mudou os cenários político e econômico.

O significado do Dia Internacional da Mulher, celebrado em todo o mundo em 8 de março, evoluiu desde aqueles primeiros anos, mas ainda é tão importante em 2021 quanto era em 1911.

Na galeria, relembre acontecimentos importantes que culminaram na criação da data, que representa a luta pelos direitos femininos, e como esse dia é comemorado na atualidade. (com informações MSN)

Pela vida das mulheres, vacina já, auxílio emergencial

Historicamente, o 8 de março, Dia Internacional da Mulher, sempre foi uma data marcada por muita luta. Mobilizações essas que agregam nossas pautas especificas ─ como o fim da violência contra as mulheres e igualdade de direitos, por exemplo ─ e que se estendem durante todo o ano.
Este ano, no entanto, devido à conjuntura político-econômica e ao cenário devastador imposto pela pandemia e pela gestão desastrosa dos nossos governantes, agregamos a nossa mobilização pautas gerais e clamores da sociedade civil.

A vacinação imediata de toda a população contra a Covid-19 é uma das nossas principais reinvindicações, pois sabemos que os efeitos negativos do vírus são mais letais para todas e todos, mas, principalmente, nós, para mulheres.

Enquanto o vírus se mostra cada vez mais letal e tira milhares de vidas diariamente, o governo Bolsonaro deixa claro que vidas não são prioridades em sua gestão. Quantas vidas mais perderemos por conta de uma gestão negligente e genocida? Quantos pessoas ainda chorarão pela perda de seus familiares e entes queridos por falta da vacina?

Outro ponto que deve ser evidenciado neste dia é a volta do pagamento do auxílio emergencial, que se mostrou extremamente fundamental em meio à pandemia. Ao longo do ano passado, o benefício ─ conquistado pela luta da CUT, Contracs, demais entidades sindicais e movimentos progressistas ─ permitiu que milhares de famílias tivessem o que comer em casa quando todas as opções para ganhar renda com segurança se mostraram inviáveis.

Hoje, com o fim do auxílio, o que se nota é aumento surreal no número de famílias que voltaram à pobreza e à extrema pobreza. Mais uma vez, as mais afetadas somos nós, mulheres.

Além disso, a vida de todas as mulheres deve ser prioridade para o governo. Faltam políticas públicas e ações que nos resguardem contra a violência cotidiana. Todos os dias, em todos os cantos do país, uma mulher sofre algum tipo de agressão. Seja em casa, nas ruas ou no ambiente de trabalho, somos violentadas e silenciadas por uma sociedade patriarcal e machista. Não aceitaremos! Seguiremos lutando até que todas nós sejamos livres.
Portanto, nosso grito hoje é pelo fim da violência contra as mulheres, por vacina já para todos e todas, por direito à renda básica e pela vida das todas as mulheres. Fora Bolsonaro!

Mara Feltes
Secretária de Mulheres da Contracs

LEIA TAMBÉM

SECOR Participa da Primeira Reunião com Sindicato Patronal do Setor de Supermercados

Na última segunda-feira, 15 de julho, o Sindicato dos Empregados no Comér [...]
LEIA MAIS